Segunda, 23 Abril 2018

Um homem foi preso nesta quarta-feira, 07, em São Joaquim de Bicas, sob a acusação de roubo praticado em Juatuba. De acordo com informações da Polícia Militar, Clebison Ramos dos Santos, de 38 anos, estava caracterizado como um membro da corporação, quando obrigou uma mulher a entrar no carro que dirigia. A vítima conseguiu escapar, pulando do veículo em movimento. 

Acionada, a PM realizou buscas desde o dia do crime e usou imagens de câmeras de segurança para tentar identificar o suspeito, que, ao ser localizado, confessou. Com ele, foram encontradas duas blusas e três calças de fardas, um par de coturnos, além de réplica de arma de fogo e um celular. Clebison, que tem passagens policiais e já esteve preso diversas vezes, afirmou que comprou as peças de um usuário de drogas, em Belo Horizonte. 

 

Desde terça-feira, 06, as equipes responsáveis pelos serviços de limpeza em Mateus Leme estão concentradas no bairro Bom Jesus. A medida faz parte de um mutirão, idealizado e executado pela Prefeitura, para contemplar todas as regiões da cidade. O trabalho, realizado com trator roçadeira, foi intensificado nesse período de chuvas, que é propício para a proliferação de mosquitos transmissores de doenças, como o Aedes aegypti, responsável pela disseminação da Dengue, Zika vírus, Chikungunya e Febre Amarela em área urbana, além de animais peçonhentos. O cronograma contempla vários bairros. 

 

O trabalho integrado da seção de inteligência da Polícia Militar de Mateus Leme, com suporte do Ministério Público e do Poder Judiciário, culminou em apreensão de grande quantidade de armas e drogas, além de prisões de elementos de alta periculosidade. O resultado das últimas operações, realizadas com o objetivo de intensificar o combate à criminalidade, principalmente em relação ao comércio de entorpecentes na cidade, foram apresentados no início desta semana. 

Após levantamento de informações essenciais, a corporação deu início às diligências para cumprimento de mandados, a fim de coibir as vendas de materiais ilícitos e localizar bandidos já bastante conhecidos na região, por envolvimento com o tráfico, roubos e homicídios. Ao fim de mais de 12 horas de serviço, a PM contabilizou 115 buchas de maconha e quatro tabletes da mesma substância, prensada; 111 porções de crack e mais uma pedra bruta do tóxico; cocaína, celulares; caderno com a contabilidade dos negócios; colete à prova de balas; R$ 1.O91 em dinheiro; balança de precisão e vasto material para embalagens. Quatro homens, considerados muito perigosos e acusados por diversos crimes, foram detidos. 

Reforço em áreas de risco 

O prefeito Júlio Fares recebeu, na manhã desta quarta-feira, 07, o comandante do 4º Pelotão da 7ª Companhia de Polícia Militar, sediado em Mateus Leme, tenente Hugo Magalhães. Durante o encontro, foram discutidas ações e parcerias para intensificação do combate à criminalidade na cidade. 

Preocupado com a situação da segurança pública no município, o chefe do Executivo solicitou ao oficial o reforço do policiamento nas localidades onde a situação é mais crítica. O tenente afirmou que atenderá ao pedido e reafirmou o compromisso com Mateus Leme, colocando-se à disposição para ampliar os trabalhos, com atenção voltada também às imediações de escolas e praças, onde há grande fluxo de crianças e jovens.  

 

A situação da MG-050 em alguns trechos que cortam Mateus Leme é insustentável. Moradores de diversas regiões da cidade continuam a enfrentar riscos nas travessias. Um atropelamento na quarta-feira, 28, entre os bairros Mangabeiras e João Paulo II, cuja vítima faleceu no domingo, 04, chamou a atenção, mais uma vez, para a necessidade de medidas. Um dia antes do acidente, o prefeito Júlio Fares e o chefe de Gabinete, Marcus Júnior Diniz, haviam se reunido com os responsáveis pelo setor de projetos da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas – Setop – para reforçar a cobrança por mais segurança e melhorias das condições de vários pontos da estrada. 

Entre as solicitações do Executivo ao governo, a revisão do sistema de captação pluvial na área central, principalmente na rua Joaquim Pio e solução para o escoamento das águas pluviais na rua Serra Azul, que é um dos corredores de vazão, causando transtornos para os bairros localizados nas imediações. A situação piorou após as fortes chuvas que atingiram o município recentemente.

A construção de uma passarela na altura do João Paulo II com Mangabeiras, perto da loja de uma grande rede de supermercados, e de outra perto da Escola Héllen Jaqueline, em Azurita, é reivindicada pela administração municipal desde abril de 2017. O prefeito afirmou que está inconformado com o descaso. “Levamos a questão tanto ao governo quanto a concessionária, a partir do início do mandato. Não admito mais vítimas”, declarou.

Em busca de soluções para os problemas na MG-050, a Prefeitura de Mateus Leme ajuizou, no ano passado, uma ação contra o Estado e a empresa responsável pela manutenção da rodovia. De acordo com o Executivo, a iniciativa garantiu avanços, como a retomada das obras, a iluminação das travessias de pedestres, o início da instalação da passarela no bairro Nossa Senhora de Lourdes, em Azurita; o guarda-corpo próximo à Escola Hélen Jaqueline; a passagem elevada, na altura da avenida Padre Vilaça; a mudança da angulatura da passagem de veículos perto da avenida Padre Vilaça e a sinalização do trânsito em toda a marginal da estrada.

 

A quinta-feira, 08, foi de protesto na rede municipal de Educação em Mateus Leme. Os professores se reuniram em frente à Prefeitura para cobrar do Executivo reajuste dos salários. De acordo com informações dos profissionais da área, este é o segundo ano que não é concedido aumento à categoria. Os relatos são de que a administração pediu prazo até 23 de fevereiro para iniciar as negociações. Sem retorno até nesta semana, os trabalhadores decidiram paralisar as atividades e fazer a manifestação. 

Além da recomposição, os educadores exigem a equiparação do piso, que hoje é de aproximadamente R$ 1.544, pela jornada de 25 horas semanais. Em Mateus Leme são pagos atualmente R$ 1.365. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura para verificar o posicionamento sobre o movimento, mas foi informada de que o governo ainda não iria se pronunciar. 

 

O crescimento econômico e social de Mateus Leme estiveram em pauta na terça-feira, 06, durante reunião entre o prefeito Júlio Fares e o gerente de atração de negócios e investimentos da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – Fiemg, Paulo Lessa. As discussões tiveram como foco principal o incentivo à instalação de empresas na cidade. O chefe do Executivo ressaltou que a administração quer contar com o apoio da Fiemg para melhor aproveitamento das áreas industriais. “Precisamos garantir condições para aumento da geração de emprego e renda, e, consequentemente, mais dignidade para a população, além de recursos para a realização de benfeitorias”, comentou Fares. Também participaram do encontro o vice-prefeito, Roberto Rodrigues, e o secretário de Desenvolvimento, Jonas Soares. 

 

Foi escolhida no dia 1º de março, a nova diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juatuba – Sindserj. Disputaram o comando da organização duas chapas, uma encabeçada por Geraldo Ricardo de Lima e outra por Maristela Moreira da Silva. A vitória ficou com o grupo liderado por Geraldo. Esta semana, a reportagem entrou em contato com o presidente eleito, para verificar qual será a linha de atuação dos dirigentes e como eles pretendem retomar a confiança do funcionalismo na instituição, após alguns escândalos e acusações de fraudes em documentos, que, envolvendo a gestão anterior, foram até parar na Justiça.

O mandato da antiga diretoria terminou em 31 de dezembro de 2017. Seis meses antes, deveria ter sido convocada a eleição. No entanto, isso não foi feito e o ano acabou sem a definição das lideranças da entidade, responsável por defender os interesses dos funcionários da Prefeitura e Câmara. A situação foi levada à Justiça, com pedido de providências legais para solução da pendência. Em 19 de janeiro, o juiz Eudas Botelho determinou intervenção no Sindserj e o prazo para a realização do pleito. 

Geraldo Ricardo de Lima disse à reportagem que é filiado ao sindicato desde 1994 e nos últimos tempos acompanhou a instituição seguir para caminhos contrários às necessidades dos servidores, perdendo credibilidade junto aos membros. O presidente eleito foi categórico ao afirmar que a nova gestão do sindicato fará de tudo para recuperar a confiança dos filiados e lutar pelos direitos deles. 

“Agora o funcionalismo se expressou mesmo! Saiu debaixo da asa da Prefeitura, porque ninguém está satisfeito. Quem fez concurso público e entrou em 2006 perdeu vários direitos. Antigamente quem era do administrativo trabalhava seis horas por dia, depois a jornada passou para oito. Retomar a carga horária anterior foi um dos compromissos da nossa campanha e vamos correr atrás disso. Cada setor tem suas dificuldades, queremos atuar para atender a todos e trazer de volta a confiança no sindicado. Muitas pessoas se desfiliaram por causa dos problemas detectados, como atas falsa. Teve gente que entrou na Justiça contra a ex-presidente e outros membros, forjaram assembléias. Aí o Dr. Eudas interditou o Sindserj, nomeou dois advogados e tivemos a eleição”, comentou Geraldo. 

Entre as propostas iniciais apresentadas pela chapa vencedora está a redução da carga horária de 40 para 30 horas semanais, sem diminuição dos vencimentos, dos monitores e agentes de saúde; substituição do cargo de vigia em guarda patrimonial, com os respectivos reajustes salariais; analisar e rever a atuação das demais categorias; e cobrar a extensão do cartão alimentação a todos os servidores efetivados. 

“Nem 50% dos funcionários recebem o benefício, que é de R$ 240. Hoje, qualquer empresa pequena e média paga R$ 400. Esse cartão é um direito de todos os concursados, mas nem todos ganham. São falhas, que a Prefeitura deixou passar, e anteriormente o sindicato não lutou por essas pessoas. Também vamos defender as cantineiras, 42 delas entraram na Justiça cobrando insalubridade, porque nossa lei orgânica, o plano de carreira e salários, além do estatuto, já dizem que elas têm direito a receber o benefício, que seja, 5, 10 ou 20%. Claro que o Sindserj vai colocar advogado para buscar o reconhecimento desse direito”, garantiu o novo presidente. 

A instituição também espera conseguir uma redução no valor gasto com o plano de saúde. “Estão cobrando coparticipação de R$ 400/R$500 e até R$ 600 quando o serviço é usado. É bom, mas está vindo muito caro. Tem que ser adequado ao contracheque dos servidores, que não estão dando conta de pagar”, disse Geraldo, que também ressaltou que a partir de agora os filiados terão assistência jurídica, gratuitamente.

 

Condições de trabalho

 

O presidente eleito do Sindserj fez uma alerta sobre as escolas e creches municipais. De acordo com ele, os prédios não possuem a quantidade de equipamentos de combate a incêndio adequadas e nem foram vistoriados pelo Corpo de Bombeiros. “É uma questão gravíssima! O sindicato está contratando um técnico de segurança do trabalho, para fazer a perícia em todas as instalações da Prefeitura. Isso nem é assunto da entidade, a própria administração deveria se certificar sobre essas condições”, expôs. 

 

Reajuste salarial

 

Segundo Geraldo Ricardo, já era para o Município ter definido o reajuste salarial, porém, ainda não houve qualquer movimentação. “Eles estavam esperando para ver quem ganharia, porque a outra chapa representava a Prefeitura. A data-base do servidor foi agora em janeiro e ninguém atentou para o mês em que vai sair. Nem aumento será, na verdade é uma recomposição. Até agora não saiu e é claro que nós vamos querer retroativo. Eu como presidente do sindicato, não aceito pagar do mês de março para frente. Todos os prefeitos pagaram retroativo, a partir do momento que negociaram. Se precisar ter greve vai ter greve, se precisar ter diálogo vai ter dialogo!”, avisou.

 

Cerimônia de posse

 

A data da posse da nova diretoria do Sindserj ainda não foi oficializada. A chapa vencedora acredita que será na próxima semana. “O Dr. Eudas vai determinar que os dois advogados, que nomeou como interventores, conduzam o ato. Eu acredito que não demore”, comentou Geraldo. 

 

Os transtornos enfrentados pela população de Mateus Leme com o abastecimento de água na cidade têm sido constantes e motivam muitas reclamações. Em nova tentativa de solução para os problemas, a Associação dos Moradores de Azurita, uma das comunidades mais prejudicadas, devido à falta de abastecimento e à qualidade duvidosa do recurso que chega às torneiras, cobrou providências da Câmara Municipal. 

O ofício, endereçado ao vereador Cristiano de Oliveira, foi apresentado durante a reunião ordinária de segunda-feira, 05. E serviu como mais um embasamento para  abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI – com foco na averiguação dos serviços prestados pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais – Copasa – no município. 

A intenção de instaurar uma CPI nesse sentido vem sendo sinalizada por Cristiano desde o ano passado. A proposta ganhou força diante das reivindicações do distrito e agora, o pedido, praticamente pronto e entregue ao departamento jurídico da Casa para as adequações, em conformidade com a lei, já conta com o mínimo de assinaturas necessárias, três, para ser acatado no Legislativo. A previsão é de que o requerimento seja protocolado na próxima segunda-feira, 12, data da próxima sessão plenária. 

Além do aspecto turvo da água fornecida, por longos períodos, aos moradores de várias regiões da cidade e, principalmente de Azurita, que sofre também com a falta do recurso, às vezes por dias seguidos, outra possível irregularidade a ser verificada é referente à cobrança da taxa de esgoto, que em diversos pontos é apenas coletado, sem a cobertura de 100% do tratamento. Desde agosto de 2017, a tarifa é de 90% do valor do consumo mensal. 

Há denúncias de que a concessionária continua a despejar dejetos nos ribeirões. Também é alvo de questionamento a falta de manutenção da pavimentação das ruas, após obras realizadas pela estatal. 

Prefeito cobra regularização do abastecimento 

 

Na terça-feira, 06, o prefeito Júlio Fares e o procurador do Município, Dalton Moreira, se reuniram com representantes da Companhia de Saneamento de Minas Gerais – Copasa -, para assinatura de contrato e apresentação do cronograma das obras que estão previstas para os próximos meses em Mateus Leme. O acordo entre a Prefeitura e a concessionária estabelece que em cerca de 90 dias a estatal assuma o tratamento da água e abastecimento de Sítio Novo, onde a falta do recurso afeta a comunidade constantemente. 

A administração municipal vem cobrando, desde 2017, a regularização do fornecimento a todas as residências, sem exceção, a partir da perfuração de poços artesianos. Após a formalização do compromisso da empresa, nesta semana, a perspectiva é de que em breve acabe o racionamento no distrito. 

 

Começa em 18 de março, domingo, o 16º Campeonato Municipal Veterano. A competição, que é realizada pela Liga Esportiva Eclética de Juatuba - LEEJ, com o apoio da Prefeitura, reunirá equipes do município, Brumadinho, Betim, Igarapé e Itaúna. Os jogos serão sempre aos domingos, pela manhã. Na primeira rodada, a partir das 08h30, os atletas do Betel enfrentam o Novo Horizonte, no Estádio Curumim. Às 10h15, no mesmo local, será o confronto entre Comercial e Canto Rio. Já no campo de Francelinos, AE Canto Rio e Vernopólis se encontram às 09h15.

 

Domingo, 11, a Associação Esportiva Recreativa Olimpic, de Juatuba, enfrenta o segundo desafio da temporada pelo Torneio Classista de Betim. A competição reúne clubes campeões de diversas Ligas de Minas Gerais.

A equipe juatubense estreou contra o Fluminense de Florestal, na casa do adversário, e surpreendeu, vencendo por goleada, de 4 a 1. O próximo confronto será no Estádio Municipal Curumim, a partir das 15 horas. 

SUGESTÃO DE MATÉRIA

EDIÇÃO EM PDF ONLINE